Cartografia social e urbana: transformações e resistências na região portuária do Rio de Janeiro”.

Trabalho desenvolvido por integrantes do Fórum Comunitário do Porto está disponível no site da FASE.

Leia e divulgue!!

Nova publicação – Cartografia para resistência

 Providência, Caju e Maré: territórios unidos historicamente pela influência do porto em seu cotidiano são objeto de análise do caderno “Cartografia social e urbana: transformações e resistências na região portuária do Rio de Janeiro”, que acaba de ser lançado pela FASE. O estudo detalha, a partir da fala dos próprios moradores e de pesquisa documental, as enormes mudanças impostas à região pelo modo de gerir a cidade – que se expressa em projetos como o Porto Maravilha e o Morar Carioca.

 Os recentes reordenamentos das principais ruas da região e do Centro da capital fluminense nos fazem lembrar a todos que passam pela região da principal justificativa para as obras: mobilidade urbana. Além desta, outras questões emolduram o processo de exclusão, criminalização e opressão pelo qual vêm passado as parcelas mais pobres da população. Entre estas outras justificativas estão ideias gerais como a necessidade de ordem, desenvolvimento e revitalização, além das urgências impostas pela agenda da Copa do Mundo e das Olimpíadas de 2016.

CONTEÚDOS

Textos, fotos e mapa expõem detalhadamente as alterações e as violações de direitos relacionados à moradia, trabalho e cultura, com consequências diretas na vida dos milhares de moradores da região – e impactos reais para toda a cidade. 605 famílias removidas, extinção de postos de trabalho sem promoção adequada de novos lugares, fechamento de três escolas estaduais e fechamento de terreiros de umbanda e candomblé são algumas das interferências detalhadas pelos participantes das oficinas de cartografia realizadas com 100 moradores em agosto de 2013.

A expressão das narrativas em mapas é um recurso utilizado por pesquisadores de diversas regiões do Brasil, em vários contextos. No caso da região portuária, a técnica ajuda a dar visibilidade aos grupos que resistem ao processo de reordenação urbana imposto pela prefeitura e por agentes privados. Durante o processo de cartografia os moradores revelaram também, novamente, a falta de diálogo que se impõe no contexto em que o urbano é mais o lugar para o desenvolvimento dos negócios e do lucro do que para a vida.

A primeira parte do caderno trata das informações sobre as principais obras e projetos em curso, contextualizando historicamente as mudanças já ocorridas na região. A segunda parte apresenta os resultados das oficinas, com os relatos dos moradores e os dados coletados. A parte central do caderno nos apresenta um mapa que referencia espacialmente as violações constatadas.

Conteúdo publicado no dia 11/03/2014.

Fonte: http://www.fase.org.br/v2/pagina.php?id=3930

 

Para acessar a publicação da cartografia, acesse http://www.fase.org.br/v2/pagina.php?id=3930

Anúncios

0 Responses to “Cartografia social e urbana: transformações e resistências na região portuária do Rio de Janeiro”.”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




FCP no Twitter

Flickr FCP

Mesa 5 – Transformações urbanas e resistências

Mesa 5 – Transformações urbanas e resistências

Mesa 5 – Transformações urbanas e resistências

Mais fotos

Categorias

Estatísticas do blog

  • 37,544 Visualizações

%d blogueiros gostam disto: