Posts Tagged 'Morar Carioca'



“Vamos fazer desta página uma ferramenta na luta”, Ideais De Uma Luta.

A Comissão de Moradores da Providência agora conta com mais uma ferramenta de mobilização e divulgação de sua luta pela moradia digna. Iniciativa de Roberto Marinho,  morador da Providência e membro da Comissão de Moradores, a página no facebook já começou a divulgar as arbitrariedades das obras do Morar Carioca no Morro da Providência e as estratégias de resistência de seus moradores. É desse cotidiano que, a partir de agora, teremos a oportunidade de gerar informação e posicionamentos. Curtam a página neste link para receber todas as notificações.

Anúncios

Distopia 021

Em virtude de atrasos na programação da Ciranda da Resistência, não pudemos exibir o filme Distopia 021 como previa a programação divulgada. O video documentário, no entanto, já foi carregado no Youtube e no Vimeo, e está disponível para ampla visualização. Já que não conseguimos durante a Ciranda lá no ICP exibir o video, cumpriremos aqui no blog a missão de divulgar, através da produção audiovisual do projeto Rio40Caos em parceria com o coletivo colombiano Antena Mutante, as violações aos direitos humanos que estão acontecendo no Rio de Janeiro.

ENQUETE, ENQUETE, ENQUETE

VÍDEO: Moradores do Morro da Providência ameaçados de remoção pela Prefeitura

Este vídeo demonstra de qual forma a população no Morro da Providência sofre as ameaças pela prefeitura ao remover centenas de famílias da região, além das denúncias de abusos por parte dos militares depois da militarização do lendário Morro da Favella, um dos morros mais antigos da cidade.

O que tem legitimado o discurso da prefeitura para a realização do chamado projeto “Morar Carioca” e suas remoções previstas é o mito da existência de supostas “áreas de risco” no morro.

O Vídeo também conta a história da Dona Sônia e seu filho, o cavaquinista Sidney Ferreira, deficiente visual e também ameaçado de remoção. A proposta da prefeitura para os moradores foi uma casa em Cosmos, a 60 quilômetros do local, ou o famigerado aluguel social.

Este video é de 2011.

Para ver o vídeo clique aqui: http://www.youtube.com/watch?v=AnhS1xRUFEc

Por Patrick Granja.

“DIREITO A CIDADE” PARA QUEM?

Estamos disponibilizando um texto de uma geógrafa que traz um debate interessante sobre a questão do chamado “direito à cidade” a partir de  um exercício reflexivo sobre a política de destinação de imóveis urbanos da União, não utilizados e subutilizados para habitação de interesse social na Zona Portuária da cidade do Rio de Janeiro.

Este trabalho pretende apontar que o discurso da “gestão democrática”, da abertura institucional para com movimentos sociais e o discurso do “Direito a Cidade” estão longe de se apresentarem como ferramentas de transformação.  Pelo contrário!

É um texto que nos ajuda a refletir sobre a forma como a prefeitura vem atuando, no discurso e na sua prática, não só na área portuária, mas na cidade inteira quando falamos de comunidades pobres e no caminho dos grandes projetos urbanos.

Imóveis da União para HIS – Direito à cidade para quem?

Matéria com o Bittar sobre a posição da SMH diante dos processos de violação na Providência

Parece que não há nada que impeça a SMH de violar direitos humanos

Moradores da Ladeira do Barroso 235, na Providência foram surpreendidos com mais uma violação de direitos humanos da Secretaria Municipal de Habitação desta cidade.

O pequeno prédio onde viviam 9 famílias e que hoje resistem 4, está sendo descaracterizado de forma arbitrária e fora da lei pela secretaria e por empregados do consórcio de empreiteiras, das obras do Projeto Morar Carioca. Isto é o que os moradores estão supondo, já que não há nenhuma identificação dos agentes que estão atuando na ação.

Este imóvel é privado, mas para justificar os despejos forçados, a prefeitura diz que “dona de tudo” e não há mais nada a fazer a não ser sairem da área. Ao que parece, será construído um prédio com 20 unidades habitacionais no local, mas as famílias não sabem se a SMH irá reassentá-las neste empreedimento. Não há ação judicial, não há informação, não documentos, não há nada. Só ameaças, destruição e medo… Enquanto isso, há uma ação sendo feita pela defensoria (NUTH) sobre o que vem ocorrendo na Providência, mas ainda não se concluiu o processo. Mesmo assim, a prefeitura não respeita nem o direito deste moradores terem a sentença concluída que, ao que tudo indica, de acordo com a legislação brasileira, é a favor destas famílias ameaçadas.

A SMH já ultrapassou todos limites! E ainda com uma UPP que só dá suporte a este tipo de ação. Como Sérgio Cabral afirmou, as UPPs é a” mãe de todas as políticas”, na verdade é a política do silêncio, da violência, do medo e do descaso…


FCP no Twitter

Flickr FCP

Categorias

Estatísticas do blog

  • 41.741 Visualizações
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: